4 cuidados que você deve tomar com as duplicatas na sua empresa

As duplicatas fazem parte da rotina da sua empresa? Esse título de crédito, que é emitido pelo credor, é muito usado no mundo empresarial. Contudo, mesmo amplamente difundido, é preciso que você, que é empresário, tenha algumas atenções, tanto na hora de emitir, quanto na hora de aceitar as duplicatas.

Afinal, se você emite está confiando o pagamento de uma dívida em data futura. Ao mesmo tempo que quando aceita, está firmando o compromisso de pagar a quantia descrita na data determinada.

As regras completas para as transações envolvendo duplicatas podem ser obtidas na Lei 5.474/1968 e no decreto-lei 436/1969. Nelas, é possível ver até quando a pessoa poderá recusar uma duplicata. Quer saber mais? Então confira algumas informações importantes!

1- É direito do comprador recusar as duplicatas em alguns casos

Uma das coisas que você precisa saber sobre duplicatas e ter cuidado, é quanto à recusa. Tanto a sua empresa pode recusar uma duplicata, quanto um cliente seu. Isso pode acontecer em casos como:

  • Mercadoria não entregue no prazo;
  • Produto avariado;
  • Erro no documento, como quantidade ou valor;
  • Prazo para pagamento diferente do que foi acordado.

Uma vez recusada, o poder de funcionar como um título ao portador, que a duplicata possui deixa de existir.

2- Cuidado com os juros

O título é muito usado e aceito no mercado, mas isso não quer dizer que você pode relaxar na hora de usar. Além de ficar atento às imperfeições e possibilidades de recusa das duplicatas, é necessário olhar os juros.

Se você for sacar a duplicata em cada instituição financeira antes da data, vai conseguir, mas terá juros. Isso acontece porque funciona semelhante a um empréstimo. O banco repassa o dinheiro a você antes de ele ter entrado como pagamento.

Assim, se você for apresentar o título ao banco, veja quanto será cobrado e se realmente compensa sacar antes da data de pagamento. Isso dependerá de vários fatores, como a necessidade do dinheiro para o seu fluxo de caixa e o prazo negociado na hora da emissão da duplicata. Avalie bem para ter a certeza de que é um bom negócio.

3- Lembre-se de que o devedor poderá não pagar

Outro ponto importante é compreender que ao sacar o valor das duplicatas antes do vencimento dela, além dos juros cobrados, você poderá ter problemas posteriores. Vamos supor que a empresa não pague a quantia no dia acordado.

Quem responderá pelo inadimplemento será a sua empresa. Afinal, o banco emprestou o valor adiantado para você e, assim, será de você que ele vai cobrar mais juros, caso o dinheiro não entre na instituição financeira no dia certo.

4- Fique atento a casos de não pagamento

Como dito, você poderá ter que arcar com juros e taxas, caso o devedor não. Por isso, é preciso ficar atento e ter a certeza de que a relação de crédito é segura, ou seja, que as chances de inadimplência são pequenas, antes de fazer transações com o uso de duplicatas.

Mesmo assim, é possível que o pagamento não seja feito. Nesse caso, é preciso protestar o título no cartório de protesto. Assim, o devedor será intimado e o processo de pagamento será agilizado.

Caso ainda tenha dúvidas, entre em contato conosco. Podemos ajudar!