Faça mudanças, elas são boas!

As mudanças sempre se fizeram necessárias em um ambiente de trabalho. No entanto, com a transformação digital e o aumento da concorrência, elas passaram a acontecer de forma ainda mais acelerada e intensa. Quem não se adapta, dificilmente conseguirá sustentar uma posição de destaque ou mesmo a sobrevivência no mercado. Não à toa, a gestão de mudanças passou a ser um dos pilares dos negócios.

No entanto, ainda existe muita resistência em torno de tais mudanças. Dada a complexidade de preparar equipes para mudanças organizacionais, muitos empreendedores se acomodam e preferem manter tudo como está. No entanto, para se manter atualizado a novos cenários mercadológicos e econômicos, além de energizar o seu time de funcionários, as mudanças precisam ser incentivadas e efetuadas da melhor maneira possível na sua empresa.

O que são mudanças organizacionais?

Mudanças organizacionais, basicamente, são alterações promovidas em uma empresa para criar diferenciais competitivos e melhorar a posição no mercado e seus próprios resultados. Essas mudanças podem ser feitas de muitas formas, seja a partir da incorporação de uma nova tecnologia, da mudança de processos, de transformações nas próprias estruturas organizacionais, entre outras possibilidades.

Ao contrário do que se imagina, mudanças não são feitas apenas em situações extremas ou porque, necessariamente, está sendo feito algo errado. Nos dias atuais, as mudanças tornaram-se uma necessidade, em virtude da transformação das tendências de consumo.

Níveis de mudanças organizacionais

Existem, basicamente, quatro níveis de mudanças organizacionais, desde as mais simples até as mais complexas.

A começar pelas mudanças incrementais, que promovem pequenas mudanças nos processos diários, como a incorporação de novas tecnologias, por exemplo. Há ainda, a mudança planejada, que também pode acontecer em períodos de maior tranquilidade, mas que já envolvem transformações mais “reconhecíveis”, como o reposicionamento da marca, por exemplo.

Outro tipo é a mudança emergente, que pode acontecer em momentos de crise e é uma resposta necessária às transformações do mercado. No entanto, a mais impactante é a mudança radical. Como o nome já indica, é uma mudança revolucionária, que pode envolver uma mudança de área de atuação ou uma venda.

Benefícios das mudanças organizacionais

Seja qual for a situação, a mudança é uma necessidade para os negócios.

É claro que funcionários são seres humanos, e seres humanos, naturalmente, possuem aversão a mudanças. Quando elas são feitas sem planejamento, o colaborador pode se sentir descartável ou ameaçado em uma determinada posição que conquistou dentro do negócio.

No entanto, se há uma gestão de mudanças bem estruturada, que envolve os funcionários em todas as etapas, adota uma comunicação clara e esclarece os benefícios a serem oferecidos pelas mudanças, ela provoca o efeito contrário, a equipe é oxigenada e se engaja ainda mais com a missão e os valores do negócio.

Da mesma forma, as mudanças também são um estímulo à inovação, afinal, as empresas precisam estar sempre atentas às transformações do mercado. As necessidades e o próprio perfil do consumidor estão em constante mudança, e tudo o que você quer é que a sua empresa seja capaz de se adaptar às tendências de consumo e melhorar seus resultados.

Gostou deste artigo? Compartilhe!